A procura de alimentos saudáveis e produzidos de forma sustentável, incluindo legumes e frutas, está a crescer. Porém, os produtores em todo o mundo enfrentam uma série de desafios. A quantidade de terras agrícolas de boa qualidade, água e matérias-primas está a decrescer dia após dia. Em várias regiões, as alterações climáticas estão a criar condições agrícolas menos estáveis. A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura estima uma perda anual de 40% das culturas alimentares de todo o mundo devido a doenças e pragas. Com vista a assegurar uma produção sustentável e uma maior segurança na colheita, os peritos em produção agrícola necessitam de culturas que se mantenham saudáveis em condições adversas. Tudo começa com variedades e sementes de alta qualidade. Nas últimas duas décadas, a Bejo foi capaz de alcançar inúmeras inovações no setor da horticultura e da produção e transformação de sementes, pelo que antevemos ainda muitas mais oportunidades de progresso.

Produção de sementes 

As empresas de melhoramento de plantas, como a Bejo, procuram constantemente formas de melhorar as propriedades fitossanitárias. Temos feito progressos no que diz respeito a novas variedades com maior resistência à seca e a determinadas doenças e pragas. (Consulte o artigo "A exploração da resistência natural nas culturas de vegetais não tem fim".)

Todavia, mesmo quando os produtores têm acesso a variedades de alta qualidade e resistentes a doenças, a qualidade das sementes pode ser determinante. As culturas saudáveis começam com sementes saudáveis.

O primeiro fator principal responsável pela qualidade reside no modo como as sementes são produzidas. A Bejo possui uma rede mundial de filiais. Assim, dispomos das melhores condições climáticas para produzir sementes saudáveis e resistentes e limitar os riscos, como, por exemplo, as condições climáticas adversas e a pressão das doenças.

As nossas instalações de produção seguem protocolos rigorosos de qualidade e fitossanidade apoiados por peritos agrónomos e cientistas especializados em culturas. 

Investigação da produção

Os nossos investigadores de produção de sementes analisam os fatores ambientais responsáveis pela qualidade das sementes. A epidemiologia, a ciência que se dedica à evolução das doenças e infestações e que estuda a forma como estas se propagam através das sementes, por exemplo, desperta-nos especial interesse. Conhecer o inimigo é o primeiro passo para o combater. Além disso, procuramos definir o melhor espaçamento de plantio, com vista a garantir períodos de floração uniformes e mais curtos, conducentes a uma maturação e um tamanho de semente mais homogéneos. A combinação destes fatores com as melhores épocas e métodos de colheita permite-nos colher lotes uniformes.

Adquirimos, por exemplo, uma maior compreensão da via de infeção da bactéria Xanthomonas em plantas e sementes. Os métodos inovadores de deteção permitem-nos identificar facilmente o agente patogénico no local, inclusive nos casos em que não é possível observar os sintomas a olho nu. Tal oferece-nos mais opções de controlo no processo de produção. Para produzir sementes de alta qualidade, selecionamos linhas-mãe capazes de produzir pólen de elevada qualidade e conduzimos investigações para determinar o período ideal de polinização. Paralelamente, dedicamo-nos exaustivamente ao estudo da forma como as abelhas e outros insetos atuam como polinizadores naturais. (Consulte o artigo "As abelhas e a Bejo: uma parceria natural na produção de sementes").

Tecnologia de sementes para um produto de qualidade superior

Após a produção, procedemos a testes exaustivos, atualizamos e transformamos todas as sementes nas nossas instalações de tecnologia de sementes em Warmenhuizen, nos Países Baixos.

Análise e saúde das sementes

Em média, cada lote de sementes é submetido a 25 testes. Avaliamos determinadas características, tais como o grau de pureza, o teor de humidade, o número de plantas uniformes (para os viveiros de plantas) e a faculdade germinativa. Testamos ainda a presença de infeções bacterianas, virais e fúngicas conhecidas por serem transmissíveis através de sementes. 

Análise do ADN e imagem multiespectral 

As novas tecnologias oferecem-nos ainda mais formas de melhorar o processamento de sementes. Atualmente, recorremos à análise do ADN para recolher dados precisos sobre os agentes patogénicos. Temos estado recentemente a testar novos métodos de seleção das melhores sementes, utilizando a tecnologia de raios X e a imagem multiespectral. Depositamos grande esperança na inteligência artificial e na aprendizagem automática, muito embora tais tecnologias ainda se encontrem em estado embrionário.

Limpeza e processamento de sementes

A análise dos lotes de sementes de entrada permite-nos determinar quais as técnicas e os tratamentos de limpeza necessários. As sementes de espargo, por exemplo, são relativamente grandes, ao passo que as de aipo são muito pequenas. As sementes de beterraba são, naturalmente, poeirentas; as sementes de brássica são escorregadias. Fatores como estes influenciam a forma como processamos e tratamos as sementes. 

A qualidade e a resistência parecem, por definição, pertencer a mundos distintos. A essência do nosso trabalho consiste em uni-las. Para isso, precisamos de uma grande dose de perseverança e dedicação no processo de melhoramento de plantas.

Theo van der Horst

Desinfeção de sementes

Os diferentes tratamentos de sementes permitem aos produtores usufruir de uma boa germinação e de culturas saudáveis e uniformes. A Bejo emprega uma série de tratamentos disponíveis para aumentar o valor das sementes para os produtores. Um destes tratamentos é a desinfeção física. Investimos em métodos avançados, como tratamentos de água quente e de vácuo a vapor, que nos permitem garantir a saúde das nossas sementes. As bactérias e os fungos nocivos não têm a menor das hipóteses.

O tratamento varia em função da cultura, por vezes até em função da variedade, e depende do local onde a semente será utilizada.  A suscetibilidade a determinadas doenças difere consoante a região geográfica e a legislação em matéria de fitossanidade pode igualmente apresentar divergências.

Também neste domínio as tecnologias estão em constante evolução. Acompanhamos de perto as inovações tecnológicas capazes de oferecer novas formas de melhorar a saúde das sementes. A desinfeção por plasma e ozono, por exemplo, revela um grande potencial como um método físico ecologicamente sustentável para o futuro.

Melhoramento de sementes

Com vista a garantir que as culturas beneficiam de um desenvolvimento rápido e de um crescimento uniforme, recorremos à tecnologia de priming. Priming é uma técnica avançada, na qual o processo de germinação de uma semente é ativado e posteriormente interrompido. Os anos de investigação e desenvolvimento nos nossos laboratórios resultaram na B-Mox, uma fórmula de melhoramento de sementes que potencia as vantagens da utilização de sementes pré-germinadas. A B-Mox contribui para fortalecer as plantas na sua fase inicial, reduzindo os riscos para os produtores durante a fase inicial vulnerável de crescimento e conferindo às plantas uma maior resistência ao stress ao longo do período de crescimento. A B-Mox é uma opção sustentável e adequada para a agricultura biológica. 

Revestimento  

O revestimento de sementes proporciona aos produtores um valor acrescentado adicional. Em primeiro lugar, as sementes com um revestimento uniforme são mais fáceis de processar pelas semeadoras e mais facilmente visíveis na sementeira. Além disso, podemos também colocar aditivos no revestimento para proteger as plantas germinadas vulneráveis contra doenças e pragas no solo, o que contribui para prevenir problemas, como o murchar da planta devido à humidade. O revestimento com fungicidas permite reduzir em até 90% a necessidade da utilização de produtos fitossanitários no terreno. Comercializamos também sementes revestidas sem tratamento químico: uma solução altamente sustentável.

Estamos também a trabalhar arduamente na inovação desta área. Por exemplo, temos vindo a analisar a forma como os revestimentos podem constituir uma alternativa aos produtos químicos fitossanitários. Estamos a investigar a utilização de novos materiais biológicos fitossanitários e estimuladores de crescimento em revestimentos. Em 2019, a Bejo apresentou um revestimento constituído exclusivamente por materiais naturais que se decompõem no solo.

Atualmente e nos próximos 50 anos

O objetivo da Bejo consiste em contribuir para tornar a produção alimentar mais sustentável. No cultivo de plantas, tal processo começa com as sementes e variedades. Para obter os melhores produtos, procuramos constantemente formas mais saudáveis de produzir sementes e métodos de processamento e tratamento mais eficazes. Recorremos a inovações que criam valor acrescentado para os produtores. Em colaboração com os nossos parceiros da cadeia, empenhamo-nos em tornar a produção sustentável e em reforçar a segurança das colheitas. Deste modo, os peritos em produção agrícola podem produzir vegetais saudáveis e nutritivos – atualmente e nos próximos 50 anos. 

- Exploring Nature Never Stops -